os 6 portões que cercavam a cidade de Londinium - LONDRES ROMANA Bate Papo Blog

Londres Romana: 6 Portões que cercavam Londinium

Descubra os 7 portões que cercavam a cidade de Londres quando ela ainda se chamava Londinium sob o domínio do império romano.

Londres Romana 6 Portões que cercavam Londinium | Vestígios Romanos em Londres | Londinium | Turismo em Londres | Turistando em Londres | História de Londres | Passeios Históricos em Londres | Londres Romana

Neste artigo você irá descobrir onde ficavam localizados os 06 portões romanos que davam acesso a cidade romana Londinium (atualmente Londres).

Além de dicas de como realizar passeios a pé e explorar toda essa região rica em vestígios romanos.

Eu não sei se você leu o outro artigo anterior, onde conto onde encontrar os principais vestígios romanos em Londres, para evitar que o artigo ficasse muito grande e cansativo, resolvi dividi-lo em 3 partes.

Caso você queira ler o artigo anterior: Onde encontrar vestígios romanos em Londres e para saber dos vestígios romanos no Reino Unido.

6 Portões que cercavam Loninium – Londres Romana

Para começar, uma leve pincelada na história para que você entenda o porquê da construção da muralha na cidade e um pouco mais sobre quando os romanos que invadiram a ilha

Que os romanos eram uma potência no quesito invadir, conquistar e expandir o império deles não é novidade para ninguém, não é mesmo?!

Você sabia que o famoso imperador Júlio César, enquanto ele ainda era apenas general, tentou invadir e conquistar a ilha britânica diversas vezes e foi um grande fiasco? 

Após inúmeras tentativas e passando pelos imperadores, Júlio César, Augusto, Tibério e Calígula, somente Claudio obteve sucesso quase 70 anos depois da primeira tentativa de conquistar a ilha Britânica.

Júlio César acreditava que a ilha, chamada por eles como Britannia, possuía muitas riquezas incluindo metais preciosos como ouro, prata e outros metais preciosos.

Além disso ele imaginava que os Bretões era um povo estúpido e que seriam facilmente conquistados pelas forcas romanas.

Júlio César tentou invadir a ilha diversas vezes e sempre se surpreendia ao se deparar com guerreiros defendendo seu território. Ele até tentou atacar por diferentes pontos da ilha, buscando obter algum sucesso mas infelizmente todas elas fracassaram.

Mapa do Império Romano antes da invasão da Britannia em 42 AC/ Reprodução Internet

Como era a ilha na época da invasão romana?

Nessa época, a ilha era povoada por tribos celtas. As tribos viviam em pequenos vilarejos com casas construídas em madeira e argila, levando uma vida simples de campo e agricultura.

Enquanto isso, os romanos construíam enormes cidades, estradas e eles tinham uma cultura considerada sofisticada para a época.

Por essa razão os romanos descreviam os britânicos como um povo sem civilidade, primitivo e bárbaro.(eles viviam bêbados e sempre procurando briga).

Os romanos chamavam Inglaterra de Britannia, a Escócia de Caledônia e a Irlanda de Hibérnia.

Qual foi o motivo da construção da muralha que cerca Londres romana Londinium?

O imperador Calígula foi assassinado no ano 41 por seus próprios guardas e devido a isso o seu tio e novo Imperador Cláudio precisava de uma grande vitória para ganhar a lealdade de seus guardas e também da população.

Claudio enviou mais de 40 mil soldados para invadir e conquistar a ilha e levou 4 meses para conquistar a parte sul da ilha, facilitando para que mais soldados chegassem e ajudassem a conquistar o restante.

Os romanos deram trabalhos e posições importantes para os líderes das tribos a fim de conseguir conquistar mais território sem precisar travar batalhas sangrentas mas muitas tribos eram contra tudo que os romanos ofereciam e se tornavam rebeldes.

Entre eles a mais famosa foi Boudicca que conseguiu juntar um enorme exército e eles conseguiram invadir, saquear e destruir a cidade de Colchester (primeira capital da província, antes mesmo de Londinium ser a capital).

Rebelião liderada por Boudicca que se iniciou em Thetford e destruiu cidades pelo caminho

Por essa razão, todas as principais cidades conquistadas por romanos passaram a ser cercadas por muros de proteção contra invasores ou rebeldes.

Como eram construídos as muralhas na época romana?

Muitas dessas cidades possuíam muros construídos em madeira mas como Londres romana (Londinium) passou a ser a capital e prosperou rapidamente, os romanos decidiram que ali deveriam construir um muro que fosse praticamente impossível de escalar, que fosse forte o suficiente para resistir ataques com catapultas e que intimida-se devido ao seu tamanho.

A Muralha Romana que cercava a cidade de Londinium tinha uma estrutura de 5 km de comprimento, 6 m  de altura e 2,5 m de espessura, dessa forma conseguia proteger a cidade de ataques de tribos celtas que ainda resistiam ao império.

Parte sobrevivente da Muralha de Londres na Tower Hill

A muralha levou 30 anos para ser completamente concluída.

Os romanos permaneceram por mais de 350 anos na ilha, hoje além dos vestígios de construções desse período temos também influência arquitetônica, história desse período e vestígios no próprio idioma. 

Você sabia que ainda existem muitas palavras em inglês que são utilizadas até os dias de hoje que derivam do latim (idioma oficial romano)?

Algumas cidades como Manchester, Colchester, Gloucester e Leicester derivam da palavra castrum que significa forte (forte militar) em latim.

Mas isso é assunto para um próximo artigo, combinado?!

Compre aqui um passeio com desconto para a cidade romana de Bath

Os 6 principais portões de acesso a Londres Romana – Londinium.

  •  Aldgate
  •  Bishopsgate
  •  Newgate 
  •  Ludgate
  • Cripplegate 
  • Aldersgate 

E durante a época medieval um outro portão foi adicionado à muralha de Londinium, esse portão se chamava MOORGATE.

Aldgate

Aldgate – Esse era um dos principais portões da cidade, pois essa era a estrada que levava e trazia itens ou mensagens importantes para a outra grande cidade romana de Colchester.

O portão que provavelmente tinha duas torres circulares – ficava na esquina da moderna Duke’s Place, no lado leste da cidade, acredita-se que era uma estrada muito movimentada e com muitas pessoas entrando e saindo da cidade através desse portão.

O portão passou por diversas reformas em outros períodos da história, assim como outros portões de Londres, Aldgate foi demolido em 1761; Sendo temporariamente reerguido em Bethnal Green.

Ainda é possível encontrar uma bomba d’água que era utilizada na época, essa bomba foi reformada com o passar dos anos e hoje ela se encontra na Aldgate High Street (Aldgate Pump), na junção das ruas Leadenhall Street e Fenchurch Street.

Hoje esse portão estaria localizado no bairro de Whitechapel, esta é uma excelente localização para se hospedar em Londres com muitos pontos de interesse e com excelentes opções de transportes públicos. 

Também pelas ruas do bairro é possível encontrar uma estrutura de madeira que representa a localização do portão de Aldgate.

Se você tiver interesse, sua localização é na esquina da Aldgate com a Dukes Place. 

Bishopsgate 

Bishopsgate era um dos portões orientais da antiga muralha defensiva de Londres. O portão ligava através da estrada em direção a Cambridge, outra cidade importante para o império.

Este portão foi muito utilizado na época romana, assim como também foi utilizado em outros períodos da história, em alguns momentos este portão era utilizado para exibir as cabeças dos criminosos presas em estacas no topo, para servir de exemplo para a população.

Infelizmente a muralha já não existe mais neste setor e o portão foi demolido em 1760.

O local deste antigo portão é marcado por uma mitra de pedra do bispo, fixada no alto de um edifício localizado perto da junção de Bishopsgate com a Wormwood Street, junto aos jardins e de frente para a Heron Tower.

Hoje ele está localizado no canto nordeste do centro financeiro da cidade de Londres e abriga alguns dos arranha-céus mais emblemáticos de Londres, incluindo The Heron Tower e Tower 42 (The Gherkin).

Se você deseja visitar o local onde existia o Bishopsgate, basta visitar os terrenos da igreja de St Botolph, localizada na estrada agora conhecida como Bishopsgate, em frente ao cruzamento com a Camomile Street. Próximo ao espaço aberto então conhecido como ‘Spitalfields’.

Cripplegate 

Cripplegate – Diferente dos outros portões que davam acesso a estradas, esse portão dava acesso ao forte, onde ficavam armas e muito provavelmente o dinheiro.

Portanto era comum ter pessoas pedindo esmolas para as pessoas que passavam por ali ou pessoas com algum tipo de deficiência física, por isso o nome “cripple” que em uma tradução livre quer dizer “aleijados, deficientes ou pedintes”.

Por essa razão a igreja St Giles Cripplegate foi construída ao lado da localização do portão, essa é uma igreja anglicana, dedicada a São Giles, padroeiro dos leprosos, mendigos e deficientes.

O portão de Cripplegate foi reconstruído algumas vezes durante os anos, em 1660 ele foi desarticulado e fortificado com uma ponte levadiça quando Carlos II se tornou rei.

Infelizmente o portão foi demolido em 1760 e hoje apenas pequenos fragmentos desta Londres Romana sobrevivem.

Aqui definitivamente é um dos melhores lugares para ver e admirar seções da antiga muralha, localizada no bairro Barbican.

O Cripplegate estava localizado aproximadamente na junção de Wood Street e St. Alphege Gardens

Aldersgate

 Aldersgate – Este foi construído provavelmente para substituir o antigo portão oeste no antigo forte romano no século IV. Ele fica em Aldersgate perto do Museu de Londres e possui uma placa apontando a sua localização próximo ao pub Lord Raglan. 

Seções do forte romano de Londres podem ser vistas na Noble Street nas proximidades. Destaque para Smithfield e à importante Abadia de St Bartholomews.

Aldersgate era um dos portões do norte do Muro de Londres, que uma vez cercava a cidade de Londres. Infelizmente foi demolido em 1761.

O portão serviu como prisão e sobreviveu ao Grande Incêndio de Londres em 1666, devido a sua importância, ele deu o nome à rua principal do bairro, Aldersgate Street, que ficava ao norte do antigo portão em direção a Clerkenwell, Noble Street e Foster Lane.

Newgate

 Newgate – Este portão ficava localizado no lado oeste do muro e a sua estrada que saía do centro da cidade de Londinium, seguia sobre o rio Fleet para Middlesex e oeste da Inglaterra. 

A partir do século XII, a grande maioria dos portões foram utilizados como prisão, Newgate tornou-se o principal deles. Hoje em dia, o local abriga o Tribunal Criminal Central de Londres, também conhecido como Old Bailey. Ele pode ser encontrado na esquina de Newgate e Old Bailey.

Acredita-se que este portão era pouco utilizado e passou a ser referência “newgate” quando o portão de Ludgate perdeu sua importância durante a construção da Catedral de São Paulo, onde as pessoas deveriam utilizar o ”newgate” para entrar ou sair da cidade

Esse portão se tornou uma das principais prisões sendo utilizada por mais de 700 anos, até que em 1902 quando foi totalmente demolida.

Ludgate

Ludgate – Este era um portão muito importante, seguindo sua estrada passando por Ludgate Hill, antiga travessia do rio Fleet e em direção a Bath e sudoeste da ilha

Havia também um grande e importante cemitério do romano. Este cemitério fica localizado onde hoje é a Fleet Street.

A localização exata está por baixo da Catedral de St Pauls em Ludgate Hill e  St Martin ‘s Church.

Ludgate era o portão mais ocidental do Muro de Londres.

Vale destacar que o nome ainda sobrevive em Ludgate Hill, Ludgate Circus e Ludgate Square.

Alguns historiadores e escritores dizem que o nome LUD deriva de “flood gate” (portão que inunda) “Fleet gate” (fleet nome do rio) ou  “ludgeat”, que significa “portão dos fundos”.

Assim como os outros portões, Ludgate também foi reformado diversas vezes com o passar do tempo e hoje é possível encontrar na Fleet Street ao lado da Igreja St. Dunstan-in-the-West fragmentos bem conhecidos do portão, incluindo estátuas do rei Lud e seus filhos, além da rainha Elizabeth I. 

Moorgate 

Moorgate como foi dito anteriormente, este portão não fazia parte da muralha construída durante o período romano.

Este portão era um dos portões que ficavam ao norte da cidade de Londres sendo o último a ser construído na Londres Romana.

O portão recebeu o nome de Moorfields pois foi construído em uma área de terreno pantanoso.

As primeiras descrições de Moorgate datam do início do século XV, onde foi descrito como apenas uma postern na muralha da cidade de Londres, localizado entre Bishopsgate e Cripplegate.

Ele não era considerado um dos maiores ou um dos mais importantes portões da cidade.

Em 1415 foi estipulado que o velho portão fosse demolido e fosse construído em um novo local, para que pudesse ter uma estrutura mais nova, maior e que fosse localizado mais a oeste da cidade.

Essa nova estrutura incluía ainda um portão de madeira para ser fechado à noite. 

Este portão foi ampliado novamente em 1472 e 1511, e depois danificado no Grande Incêndio de Londres em 1666.

Embora os portões da cidade tivessem deixado de ter qualquer função moderna além da decoração, foi substituído junto com Ludgate, Newgate e Temple Bar com um portão de pedra em 1672.

A área ao redor do antigo portão, Moorgate Street e estação de Moorgate é referida informalmente como a área de Moorgate.

Acredita-se que esse seria o local exato do portão na Coleman Street Ward da cidade de Londres.

O portão foi demolido em 1762, mas atualmente deu seu nome a uma rua principal do bairro Moorgate, que foi construída em 1834.

Essa região é o lar de muitas instituições financeiras e tem muitos edifícios históricos e contemporâneos.

Atualmente as ruas de Moorgate correm ao norte da Princes Street e Lothbury na parte de trás do Banco da Inglaterra, atravessando a estrada chamada London Wall e a localização do antigo portão, e depois continuando para o norte da cidade

Depois de sair da cidade de Londres em direção ao bairro londrino de Islington, a rua é conhecida como Finsbury Pavement (que já foi conhecida como Moor Fields Pavement) e depois City Road.

Além de estar próximo de Guildhall onde ficava localizado o anfiteatro romano em Londres.

Passeios turísticos para visitar Londres romana

Existem passeios com guias especializados sobre o assunto Londres Romana ou você poderá fazê-lo sozinho se preferir.

Com um guia especializado você terá acesso a muitas informações importantes, principais locais de ponto de interesse que te farão viajar de volta no tempo de Londinium.

Em todos os pontos existem placas com algumas informações importantes, infelizmente não são todas que estão em bom estado de conservação. 

Veja abaixo algumas fotos de Londres Romana com as placas.

Os romanos permaneceram na ilha por mais de três séculos, mesmo assim não conseguiram conquistar o que hoje seria a Escócia e por essa razão foi construído uma outra muralha que funcionava como divisa entre o mundo civilizado e o não civilizado.

Outra muralhas importantes como a Londres Romana espalhadas pelo país

Essa muralha se chama Muralha de Adriano e ainda é possível visitar partes dela e de alguns fortes que estão conservados até hoje.

Essa era a parte do território romano localizado mais ao norte da ilha e com a morte do imperador Adriano, seu sucessor criou uma nova muralha chamada de “Antonine Wall” em português Muralha de Antonino.

Essa muralha não ficou muito tempo ativa e algum tempo depois  caiu em desuso. Sendo assim, a Muralha de Adriano voltou a ser a principal divisão entre os romanos e os bárbaros de Caledônia.

Esta muralha cortava de uma ponta a outra da ilha, possuía portões de acesso, exatamente como funcionava a muralha de Londres. 

A Muralha de Adriano, também foi muito utilizada após a queda do império romano e serviu como divisa entre os reinos da Inglaterra e da Escócia por mais de 250 anos.

Para saber mais sobre a Muralha de Adriano e outras construções romanas no Reino Unido.

Você gostaria de fazer passeios assim?

Espero que você tenha gostado do artigo e confira também os outros artigos super interessantes disponíveis em nosso website.

Similar Posts

3 Comments

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.